Sexo anal sem camisinha é seguro? Conheça os principais riscos

Antes de ler esse artigo, tenho uma pergunta para você: Você tem interesse em demorar muito mais na cama? Quer saber o segredo dos atores pornô e deixar sua mulher LOUCA DE TESÃO? Clique aqui e assista ao vídeo.

Sexo anal sem caminha é seguro? Existe alguma maneira de fazer anal sem camisinha de maneira segura? Fazer anal sem camisinha uma vez ou outra também é perigoso?

Calma, para os que estão doidos por um anal mas não têm muitas informações sobre, o sexo anal não é uma atividade perigosa, porém, são necessários ainda mais cuidados em relação a DSTs do que no sexo vaginal.

Reduzindo o Risco de DSTs

O grande risco do sexo anal é que quando ele é feito em camisinha, o risco de contrair uma DST pode ser muito maior. É preciso ter em mente que o ânus pode transmitir doenças mais facilmente, e que, digamos, não é o local mais limpo do nosso corpo. Se a sua parceira estiver com alguma infecção, por exemplo, você pode pegá-la mais facilmente no sexo anal sem camisinha.

Como o ânus não se lubrifica por conta própria, e porque o ânus é mais propenso a micro sangramentos do que a vagina, o sexo anal tem maior risco de transmissão de infecções sexualmente transmissíveis ou DSTs, como clamídia, gonorreia e HIV (Aids).

Se você quer fazer sexo anal sem camisinha, o mais importante é que você e sua parceira façam testes de DSTs e que vocês tenham certeza de que não tem nenhuma doença. É normal que você e ela queiram fazer esse teste juntos e que peguem seus resultados juntos, e assim os dois podem ficar tranquilos na hora do anal.

Se um de vocês- ou ambos- sair e tiver relações sexuais com outras pessoas, colocando-se assim em risco de contrair uma DST novamente, então talvez seja melhor continuar usando camisinha até que você saiba que vocês dois estão sendo sexualmente exclusivos.

Em casos onde você quer apenas sair por ai e tentar o sexo anal com alguma mulher desconhecida, temos que alertar você que esse é um grande risco de pegar uma DST, e que sim, o sexo anal sem caminha (assim como o sexo vaginal) pode ser muito perigoso para a sua saúde, e o arrependimento poderá ser grande.

Outras opções

Algumas pessoas optam por não ejacular no ânus como um meio de reduzir o risco de transmissão de DSTs. Porém, colocar o pênis para fora do ânus e, em seguida, ejacular em outro lugar – como em sua própria mão ou em uma toalha- não remove o risco de transmissão de DSTs, mas é uma estratégia que algumas pessoas usam para minimizar o risco de exposição a fluidos sexuais.

Você também pode considerar maneiras de usar um preservativo que são mais agradáveis. Adicionando lubrificante no exterior do preservativo, e às vezes colocando um pouco de lubrificante na ponta interior do preservativo, pode ajudar a aumentar o prazer por aumentar a fricção.

Você também pode procurar por preservativos um pouco mais largos ou com características especiais que fazem que o sexo continue natural e agradável mesmo com a presença da camisinha. Existem vários tipos em qualquer farmácia.

O sexo anal tem se popularizado nos últimos anos, todo homem se já não fez, tem muita vontade de fazer, e o preconceito inicial com o anal entre as mulheres já diminuiu bastante, e inclusive, muitas delas conseguem até mesmo atingir o orgasmo no anal. Se você quer se aventurar na parte traseira, essa é com certeza uma ótima ideia, porém, tome todos os cuidados necessários, use camisinha quando for transar com desconhecidas seja no anal ou no vaginal, ou tenha certeza de que a sua parceira é exclusiva e que ela não possui nenhuma DST. Por mais que a medicina tenha avançado, viver com uma DST ainda é muito preocupante.

Mais algumas dicas sobre sexo anal

Para aqueles que estão tentando convencer suas parceiras a tentarem o sexo anal, algumas dicas são válidas:

  1. Não pressione demais sua parceira a fazer sexo anal. Qualquer tipo de sexo feito sob pressão é ruim, mas o sexo anal carrega certos riscos de “sentir-se mal”, já que o ânus não se lubrifica sozinho e é composto por dois conjuntos de músculos do esfíncter que nem sempre acomodam facilmente a penetração.

Converse com ela primeiro para que ela realmente esteja aberta a essa experiência e para que você possa fazer disso algo que irá se repetir. Se ela fizer forçada e for horrível, ela provavelmente nunca mais irá querer tentar de novo.

  1. Use muito lubrificante. Em um estudo realizado na Universidade de Indiana (EUA), foi descoberto que o uso de lubrificante à base de água ou à base de silicone foi associado a altas classificações de prazer e satisfação no sexo anal, e ambos os tipos de lubrificante são seguros de usar com preservativos.
  2. Use camisinha. O HPV pode ser transmitido durante o sexo anal, assim como outras infecções (incluindo HIV, clamídia, gonorreia, herpes, etc.). Como os testes de HPV não estão amplamente disponíveis para homens, a maioria dos homens não tem ideia se eles têm HPV ou não – incluindo os tipos de HPV que podem aumentar o risco de câncer, como câncer anal ou câncer peniano. Assim, você pode infectar uma mulher através do sexo anal, assim como ela pode infectar você também. Sempre use camisinha, a não ser que sua parceira seja fixa, e que ambos tenham certeza de que não apresentam riscos um para o outro.
  3. Vá devagar. A maioria dos homens não são profissionais do sexo, ainda mais quando o assunto é sexo anal, e o anal não é tão fácil como os atores e atrizes pornô fazem parecer.

A maioria dos homens e mulheres acham que o sexo anal é mais agradável e prazeroso quando eles vão devagar e são “gentis” com a penetração. Prefira fazer sexo anal quando você estiver sóbrio, quando puder usar um lubrificante durante o sexo, e quando você e sua parceira estiverem realmente confortáveis e com vontade de fazer o sexo anal. Depois de começar mais devagar e se tudo estiver correndo bem com você e com a sua parceira, aí sim comece a considerar aumentar o ritmo. Se os dois estiverem realmente entusiasmados com o sexo, um ritmo mais pesado pode ser o suprassumo do momento.

Recomendados para você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *